20 8 / 2012

Conselhos para viajar com medicamentos anti-retrovirais na bagagem

Ter HIV não deveria impor demasiadas restrições nas suas opções de viagem, mas você deve planejar e pesquisar antes de reservar a sua passagem.


I. Enviar a medicação pelo correio:

Alguns viajantes soropositivos enviam a medicação à frente deles, para um amigo no país ou para o hotel onde ficarão hospedados. Lembrem-se, contudo que o correio internacional pode atrasar-se ou perder-se e em consequência disso, deve proceder ao envio dos medicamentos com bastante antecedência para que alguém que possa verificar se chegou.

Os funcionários aduaneiros poderão inspeccionar itens enviados pelo correio. Assim, se fizer a sua medicação seguir antes de si, você deverá preencher e incluir uma declaração aduaneira, indicando a parcela que tem medicação prescrita, afirmando que estes medicamentos servem apenas para uso pessoal e não têm qualquer valor comercial. Inclua uma carta de seu médico atestando que o medicamento é para uso pessoal (a carta não tem de relatar nada a sua condição de saúde).


II. Transporte de medicação:

Se decidiu levar a medicação consigo, faça-o transportando-a na sua bagagem de mão, para evitar os casos em que as bagagens despachadas são perdidas ou atrasadas. De igual modo traga sempre consigo uma carta do seu médico informando que a sua medicação é para uso pessoal (de forma igual, a carta não tem de dizer que é para o HIV). Pode pedir ao seu médico para lhe elaborar a carta sob a forma de uma lista de medicamentos pelo respectivo nome com doses diárias (a menos que você esteja visitando um país com restrições à entrada de pessoas vivendo com HIV / AIDS).

Deve levar medicamentos suficientes para a sua viagem e contar com alguns dias extras no caso de se atrasar por algum motivo, ou alterar os seus planos de viagem, sem trazer no entanto uma quantidade excessiva. Essa atitude pode ser olhada pelos funcionários alfandegários e de imigração do país, como prova da intenção de ultrapassar a validade do seu visto de permanência no mesmo.

A maioria dos medicamentos deve ser mantida à temperatura ambiente, no entanto, alguns deles podem requerer refrigeração. Tenha isso em mente. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico qual a melhor atitude preventiva. Os aviões têm os seus compartimentos de carga pressurizados e aquecidos e a medicação em formulações líquidas pode congelar ou esvaziar durante a viagem. Transporte esses medicamentos na bagagem de mão com uma letra adequada para satisfazer as restrições de segurança. Os viajantes experientes irão lhe dizer que nada pode ser dado como certo uma vez que saia de casa, mas há algo com que você ainda pode contar: A companhia aérea poderá um dia perder sua bagagem. Embale os seus medicamentos suficientes para uma emergência e que lhe durem até que você possa obter substitutos e sempre traga consigo sempre duas cópias de sua receita - uma com os medicamentos, outra na sua bagagem de mão ou pochete.


III. A medicação injetável (agulhas e seringas):

Se você injectar medicamentos como Fuzeon (R) (T-20) ou Insulina ou Interferon ou outros, contate com o consulado/embaixada do país que planeja visitar e pergunte-lhes sobre as suas leis sobre agulhas e seringas.

Em alguns casos, pode ser mais fácil enviar antes pelo correio e só transportar o que você precisa para se injetar na sua viagem. Verifique com a (s) sua (s) companhia (s) aérea (s) antes, para saber a sua política em matéria de agulhas a bordo.

Por exemplo, a Qantas permite-lhe transportar tantas agulhas quanto você vai precisar durante o voo, além de um pequeno excesso e como margem de erro. O resto do seu fornecimento deve ser transportado em sua bagagem registada no check-in. Como de costume, a carta do médico é necessária como prova de que você precisa dele devido a uma condição de saúde. As seringas devem ser seladas e as agulhas devem ter tampas sobre elas.

Lembre-se de dispor de agulhas usadas com cuidado. Se você tem uma seringa consigo, traga sempre um atestado médico também.


IV. Escondendo a medicação

Não há nenhum teste de HIV no aeroporto ou na fronteira, diz Vishal Trivedi, Coordenador do Projeto de Imigração dos Serviços Jurídicos do Departamento de Gay Men’s Health Crisis (GMHC) em Nova York, mas os viajantes com HIV são relacionados com a literatura ou medicamentos HIV que podem ser entregues a um oficial de imigração para investigação, diz ele. “Se há uma determinação feita pelo funcionário da imigração que o viajante é HIV positivo e que está viajando sem autorização apropriada e renuncia ser HIV positivo, ele ou ela pode ser legalmente impedido de entrar nos Estados Unidos.” Em outras palavras: proceder com cautela.

Mas…”Não há nenhuma exigência legal que você mantenha seus comprimidos no frasco original, marcado em que eles vieram”, diz Ronda Goldfein, Diretora Executiva da Filadélfia AIDS Law Project. Manter a calma e agir casualmente, todos sabemos que os oficiais de imigração estão à procura de reações nervosas!


V. Coisas para saber antes de viajar:

Evite iniciar uma nova combinação de tratamento no mês anterior à sua viagem, já que o seu médico pode ter necessidade de monitorar e ajustar o tratamento em caso de efeitos colaterais ou reações alérgicas. (E você também não quer estes para arruinar a sua viagem!)

No passado, alguns viajantes soropositivos optaram por fazer uma pausa no tratamento, enquanto viajam, mas um estudo recente mostra que quebras de tratamento são mais prejudiciais do que se pensava anteriormente. Esta é uma decisão importante a tomar, em consulta com seu médico.

O seu médico, enfermeira ou encarregado pelo seu tratamento pode sugerir algumas dicas e truques para o/a ajudar a manter a sua programação de dose quando estiver viajando através dos fusos horários e a lutar com o seu relógio biológico.

Nós sabemos pela pesquisa que os envios postais podem resultar em quebras inesperadas nos tratamentos, uma vez que nem sempre chegam nos prazos e condições esperados. O mesmo risco se aplica às embalagens dos seus remédios na bagagem verificada.

Discuta esta possibilidade com seu médico e leve uma semana de medicamentos numa caixa de comprimidos no caso de isso acontecer.

Se você realmente não pode levá-los consigo, contacte uma agência de HIV/AIDS local antes de sair e, através deles, marcar uma consulta com um médico local para obter uma receita de 2-3 semanas dos medicamentos que precisa. Irá decerto esperar pagar um monte de dinheiro, mas pode valer a pena para a sua paz de espírito e saúde.

Por Diego Calixto

Fonte:HIV travel e UNAIDS